Ser Sol, Sendo Sol

Você tem um Sol dentro de si. E uma grande Sombra. Elas brigam entre si, querendo fazer seu inteiro. Mas o Sol ainda está lá. Ele sabe do que é capaz. Ele poderia deixar um rastro luminoso de magia e amor por onde você passa. Ele já fez isso um dia por você, mas daí veio o medo. O Sol não pôde mais ser o inteiro que era. Preferiu se esconder. Teve medo da luz cegar você novamente. Quis lhe proteger. E o que é a Sombra senão escuridão. Cegueira por cegueira…foi uma troca infeliz, viu?! Seu amor pelos animais, isso é o Sol, querendo ser livre um pouquinho. Os animais não lhe julgam, não lhe interpretam mal. Eles não vão lhe machucar. Você é tão egoísta que prefere dar amor aos animais do que fazer algo pelas pessoas. Você poderia ter trazido muitos sorrisos à elas, se apenas tivesse Sido. Quantos não estavam precisando disso? Quanto bem você poderia ter feito? Porque foi que negastes isso às pessoas? Você sabia quanto bem poderia ter feito, mas se recusou a fazer. Foi preciso chegar do outro lado do Mundo para perceber que algumas pessoas precisam de você, seja pra aprender uma operação na calculadora, seja pra revisar uma disciplina que você tem afinidade, seja pra qualquer outra coisa. Qualquer coisa. Porque você fez questão de se esquecer disso? Quantas perdas você já teve por ter deixado a Sombra livre e o Sol reprimido? O Sol sente saudades de brilhar. Ele quer lhe lembrar o tamanho do poder que você já teve, quando o deixou livre pra raiar. É simples. Sempre foi. Que se dane seu coração bobo cheio de cicatrizes. Elas são marcas de batalhas vencidas. Não de derrotas. Sinta orgulho por isso. Você é um sobrevivente. Mar calmo nunca fez bom marinheiro, céu escuro nunca fez ninguém feliz, nem mesmo você. Um céu colorido, este sim. Onde você possa voar, sem medo, apenas apreciando a paisagem e deixando-se ser Sol. Deixando ele raiar. Deixando-se irradiar. Aquecendo as pessoas. Deixando fragmentos de luz com elas. Sendo sol no inverno cruel. Só assim, amigo. Seja Sol, sem medo, e tudo ficará bem.

Soleil

Um passeio em um mundo lúdico

tumblr_mbrviuIlwK1rh9c9xo1_500

Nunca tinha ouvido falar no espetáculo Slava’s Snowshow até comentarem comigo que iriam ter algumas apresentações aqui, que tinha a ver com palhaços e o ingresso não era caro. Porque não? Fazendo uma rápida busca pelo Google da vida, tive a impressão que seria algo monótono, mas resolvi ver qual era. E foi a melhor coisa que eu fiz! Foi simplesmente mágico.

O espetáculo é dirigido pelo personagem principal, um russo de nome Slava Polunin e consiste basicamente em mímicas, eu diria até pantomima. Aquele jeitinho meio “meigo” de fazer graça, como Chaplin. Mas longe de ser apenas feito pra rir. Eles conseguiram criar uma atmosfera de tristeza, de mágica, de sonho,  de risos. Teve de tudo. Abusaram do papel picado, que ora tinha efeito de neve, ora de chuva de estrelas. Iluminação que ora parecia criar um mundo de sonhos, ora criava uma atmosfera de medo. E as imensas bolas de todos os tipos, tamanhos e cores que ficaram rolando no final foi um espetáculo à parte. A sonoplastia foi outro espetáculo à parte. Desde sons engraçadinhos, acompanhando os movimentos do Slava, música russa (eu acho), até músicas instrumentais impactantes que todo mundo conhece, mas que eu não sei o nome :D

E qual a probabilidade de tocar música brasileira no meio de um espetáculo de palhaços russos, onde a única música com vocal era russa e todas as outras instrumentais? Nenhuma. Pois então, começa um novo número, um som meio mansinho vai se fazendo ouvir e daí: “Oariá raiô obá obá obá,  mais que nada, sai da minha frente que eu quero passar…” (e não era a versão com o Black Eyed Peas). Mas o que? =O Sim sim sim, Brasil sambando na cara da sociedade, aparecendo no meio do nada em um espetáculo de palhaços russos consagrados que já se apresentaram no mundo todo. Era um número engraçadinho, onde o Slava tentava seduzir dublando “mais que nada”, enquanto os outros palhacinhos apareciam tentando roubar a cena dançando loucamente uma batucada de carnaval (e nessa hora a  música mansinha era sufocada por um samba louco de carnaval e Slava ficava olhando feio pros palhacinhos, até eles saírem de cena). A platéia começou a acompanhar a música com palmas. Eu não saberia dizer se foram “puxados” pelas outras brasileiras que devem ter começado a bater palmas lá em baixo, ou se elas nada tiveram a ver com isso, mas foi mágico quando mesmo. A música ficou rolando durante o intervalo =]

Em um momento os palhacinhos foram pro meio da platéia e fizeram uma baldeiação geral. “Roubaram” bolsas, jogaram casacos alheios pro alto, sequestraram uma moça da platéia, molharam o povo, jogaram papel picado…um caos de risos. Slava às vezes fazia um número triste, ou dramático, que era lindo e melancólico, ao mesmo tempo. Algumas coisas que pareciam mágica também aconteceram, como uma bola brilhante, representando o sol que saiu flutuando. A melhor parte foi quando depois de uma triste despedida, a neve “chegou”, a luz se apagou, e acho que todas as luzes possíveis do mundo foram postas em direção à platéia (tive dor de cabeça até hoje de manhã), e uma chuva de papéis picados foram sendo arremessadas por alguma máquina, só pode. Era muito papel, muito vento e muita luz vindo na nossa direção. E o Slava alí no meio, sozinho. Fiquei assim: ‘0’

O final foi um espetáculo por si só. Uma por uma, bolas coloridas gigantescas, gigantes MESMO vieram rolando em direção à platéia, que junta arremessava as imensas bolas pra cima. Depois outras menores, as únicas que com muito esforço conseguiam chegar até onde eu estava, foram aparecendo. Da onde eu estava, não dava pra participar daquilo, mas eu vi uma sala inteira de gente de todas as idades brincando feito criança, jogando as bolas para cima. E quando uma das bolas conseguiam chegar lá no alto, onde a gente tava, era a alegria do pessoal, até vir algum pivete sem graça e mandar a bola lá pra baixo de novo. Só estando lá, vendo uma sala inteira se transformar em sonho por algumas horas, pra sentir a intensidade daquilo. Com certeza vale muito a pena ir assistir ao espetáculo deles. =]

Aqui um videozinho só pra se ter uma pequena (e talvez errada, já que quando vi o vídeo achei que fosse dormir no teatro) noção do que foi tudo aquilo: